Quem disse que é fácil chegar até a mim?
Sou tempestade, às vezes sol, frio, calor, neblina.
Quem é capaz de manter um relacionamento assim?
Meu humor é variável.

Tem gente que chega achando que vai ganhar o meu coração,
desmatam o meu jardim, levam consigo minhas flores, minhas pedras.
E pior, sem licença usam o meu banheiro e cagam no chão, largando sua bosta em qualquer lugar.
Dessa forma dizem me amar…

Esses chegam até o cume e gritam por vitória, mas que vitória seria essa? Você não me respeitou, não sabe ao menos para onde está indo e o que quer de mim. Queria apenas me usar e jogar fora. Mas como eu queria que me amasse de verdade e levasse consigo em memórias, aprendizado de uma bela caminhada, compreender minha natureza, meu ecossistema. Tenho certeza que o nosso relacionamento seria mais satisfatório.

Você não quer nada disso, mas os perrengues te ajudam a refletir! Lembra de quando caiu a noite e você estava sem lanterna? Lembra aquele dia em que você se perdeu em meio a mata? Caramba! E aquele dia em que quase morreu de hipotermia achando que não ia fazer frio. Pior, eu lembro daquele dia em que caiu uma chuva e você estava sem roupa e calçado adequado. Essas coisas acontecem porque você me subestima, achando que você era o super ultra máster e eu te mostrei mais uma vez que quem faz as regras aqui sou eu.

Te desafio a me consquitar!

A Montanha

Por Jéssica Marinho


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *